Dez usos para tons de cinza em partituras

Há mais vantagens em usar tons de cinza em partituras do que a escassez de publicações com esse recurso faz parecer. Refiro-me a aproveitar facilidades atuais de impressão e editoração, não me refiro às experiências grafistas do século XX.

A opção pela escala de cinza não altera custos de impressão, mas também existem benefícios gráficos importantes no processo mais oneroso de combinar outras cores. Se o resultado da editoração for uma publicação digital, o uso de cores não traz ônus extra, embora os princípios de equilíbrio visual permaneçam. Quando há limites em escrever com apenas uma cor, é seguro adotar uma possibilidade por vez, aqui citadas ou não, e almejar contrastes sutis. A Presto vale-se do cinza principalmente para músicas com grande densidade de extranotas (óperas, análises, peças didáticas, contemporâneas etc) e para polifonia escrita em uma pauta só (cordas dedilhadas, teclas, percussão etc)

Os exemplos abaixo poderiam apresentar cinzas diferentes:
1) Separar informações correntes:

1 1

2) Hierarquizar informações correntes:

9 9

3) Separar informações que não são lidas durante a execução musical mas estão dentro da música:

2 3

4) Separar idiomas em edições multilíngües:

4 3 3

5) Separar informações de análise:

4

6) Separar notas de extranotas:

6

7) Separar informações tipologicamente distintas (indicações musicais de indicações de cena etc):

7 7 7

8) Separar intervenções do editor:

8

9) Separar vozes:

9

Extra: Uso de cores similar ao 9:

9

10) Hierarquizar vozes:

10

A eficiência do uso de tons de cinza (ou de cores) em partituras estará refletida na facilidade que o músico terá ao ler. Partitura bem feita torna-se música sem ser percebida.

Músicas usadas:

  • 1, 3, 4 e 5: Des-Continuum, para violão solo, de Arthur Rinaldi;
  • 2, 3 e 7: Yerma, para solistas, coro adulto, coro infantil e orquestra, de Heitor Villa-Lobos;
  • 4: Zwinchenraum, para flauta doce contralto solo, de Flávio Oliveira;
  • 6 e 7: Dreams, para percussionista solo (marimba e ações de fala/cena), de Arthur Rinaldi;
  • 8, 9 e 10: Prelúdio & Fuga em Dó Menor, para piano solo, de Paulino Chaves.

Contrate a Presto para fazer a sua partitura, transcrição, música ou livro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s