Prefácio ao livro “O inferno é agora”

por Manu Lafer


Em O inferno é agora: dez contos sincréticos – terceiro livro de ficção de Thiago Rocha –, o autor apresenta seus contamentos, que “batiza” de conjunto e qualifica como “sincréticos”, perguntando que “diabos” isso significa. E o que isso significa?

Os contos são inspirados nos Dez Mandamentos – chamados Pronunciamentos pelo judaísmo, religião que se debruça sobre as diferenças entre como eles estão apresentados nos livros Êxodo e Deuteronômio e os trata como um código a ser expandido e constantemente interpretado – tais como foram aculturados no país através do catolicismo. Esse expediente atrai e fala mesmo com os leitores do Brasil de hoje e suas religiões transformadas e se transformando. Mas, não somente com eles.

Os leitores certamente se reconhecerão nas personagens. Terão espelhadas sua urbanidade, sua juventude, sua experiência do meio acadêmico e de convivência com a vizinhança e até rotas de turismo (um conto descreve Paris) e polêmicas de torcedor de futebol.

Quem tiver curiosidade de olhar o verbete google no Google aprenderá que este foi um nome dado por uma criança e que também foi usado por um prêmio Nobel para exprimir um conceito matemático de difícil compreensão e alcance. Trata-se de um número exponencial que não é possível de escrever por extenso nem indo da Terra à Lua, nem nos sonhos do Cosmos de Carl Sagan.

Fazendo uma transleitura concretista da palavra google, é possível dividi-la em duas (ainda que em inglês, o que seria compatível com O Inferno de Rocha, pródigo em invencionices, italianices e galicismos): go ogle.

Numa livre tradução, “vá olhar (com atenção)”. Em francês, um preconceito carregando desrespeito disfarçado no verbo toiser. Em grego, “observar com atenção”, ou teoria. O que os contos do livro diriam que só existe na prática… E o ditado popular diz que, na prática, a teoria é outra. Talvez explicando o que seja sincretismo, pergunta do autor. A ficção do autor está, por este rodeio teórico barroco, explanada e justificada e, sobretudo, a léguas de distância do Google Scholar.

Os pecados elencados dão unidade ao tema de cada conto e ao conjunto do livro, tal qual o autor intenciona. Como na série de filmes de longa-metragem do diretor Krzysztof Kieślowski, Decálogo, feita para a televisão polonesa nos anos 1980 (quando o Papa e a Guerra Fria discutiam assuntos universais), a literatura convida a aproximar desse universo as vicissitudes do dia a dia das pessoas comuns. Os contos de O inferno é agora fazem isso sem pretensão teológica ou moral, de uma maneira lúdica, botequeira (de inferninho) e pop (para a religião). Assim como as citações literárias e das artes plásticas, que percorrem praticamente cada página, mas de modo deliberadamente leve quanto à erudição.

Esse modo ligeiro, como se diz em esportes, medicina, literatura e música, é executado através do maior mérito do livro e que confere seu estilo: seu ritmo.

Os contos e, por conseguinte, o livro são autorais. Não são pastiche nem metalinguagem. Nem são, como a leitura desavisada indicaria (novamente, usando a linguagem musical), rapsódia. São suíte.

Ao ler a nota de autobiografia, que o autor invoca como de sua propriedade – ao contrário dos Creative Commons acessíveis a todos que usarem conteúdo sem direitos reservados –, tem-se a tendência, também descuidada, de crer que o ritmo da prosa é consequência da formação musical do autor. Não é.

Os autores citados, sim, podem ser mais ou menos reconhecidos nos meios leigo e acadêmico. Ilustramos com algumas dessas citações ilustradas: Nelson Rodrigues, Juó Bananère, Arthur Rimbaud e Liev Tolstói.

Com eles, o autor de Um rim por um trago e oito contos previsíveis e Sabrina: um conto de mel ascende ao seu Inferno literário.


São Paulo, dezembro de 2021.

MANU LAFER


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s